Assembleias de «Irmãos» em Portugal

Apologética

Jesus: Quem Foi?

JESUS É SEM IGUAL – Ele é a Personagem-Milagre!

Não era general, e contudo tornou-se o Conquistador do Mundo – não pela brutalidade da força militar, mas pela amplitude do seu poderoso amor.

Pouco viajou Ele, confinando as Suas actividades à Palestina, país com apenas 45 milhas de largura por 100 de comprimento.

Não dispunha dos meios modernos de propaganda intensiva. Em Seu tempo não havia estradas-de-ferro, nem transatlânticos, nem aviões, nem jornais, nem revistas, nem computadores, não usava Internet, nem rádios, nem sistemas de televisão e de rede.

Jesus não possuía um nome influente nem riqueza, nem posição. Não teve preparo, nem educação, excepto a que adquiriu no regaço de sua mãe ou na humildade aldeia onde viveu. Não possuía cursos regulares, nem diplomas, nem certi-ficados. Viveu e exerceu as Suas actividades entre o povo comum. Ao nascer, tomaram emprestada para Ele uma manje-doura, e quando morreu, foi colocado num túmulo emprestado. A herança que deixou foi uma única túnica sem costura.

Não era médico, mas curou os doentes, deu vista aos cegos, audição aos surdos, purificou os leprosos, e ressuscitou os mortos.

Não era juiz nem advogado, mas conhecia a Lei, interpretava-a, e aplicava-a às relações que deveriam imperar entre os homens. Ele próprio tornou-Se a fonte da rectidão e da justiça, e os Seus princípios tornam-se cada vez mais enraizados nos corações e consciências dos homens.

Não foi escritor, nem escreveu livros, nem compôs poemas; não compilou documentos, nem editou jornais, nem fez contri-buições para periódicos. A única sentença que escreveu foi uma linha sobre a areia que desapa-receu no mesmo dia. Dela não sobrou uma letra sequer. Jamais usou caneta ou máquina de escrever. Contudo, têm-se escrito mais livros sobre Ele e Suas pa-lavras do que sobre qualquer outro homem. Ele influenciou maior número de vidas do que todos os escritores juntos de todas as eras. A história da Sua vida foi traduzida em mais de 1.980 lí-guas e dialectos, e foi lida por biliões sem conta, e todos os anos o Livro que narra a Sua vida – a Bíblia – é o livro mais vendido.

Não era orador, e, contudo, ninguém jamais falou como este Homem. Os Seus discursos tornaram-se o tema de milhares de sermões. As Suas palavras são simples e claras. Usa muito poucos adjectivos e mesmo assim as Suas sentenças estão repletas de beleza, significado e graça. As Suas palavras são jóias literárias. Perante Ele curvam-se Shakespeare, Milton e Emerson. Jesus usou os géneros literários com eficácia – a parábola, a analogia e o simbolismo – sem diluir o pensamento, a ideia e sem supraornamentar a verdade. Não era poeta; não obstante inspirou milhares de poetas nas Suas sublimes expressões.

Não foi músico, entretanto inspirou Mozart, Schubert, Beethoven, Mendelssohn, Haydn, Handel e outros sem conta. Não fora Ele e jamais teriam sido escritos os mais belos hinos cristãos.

Não era artista, nem escultor, nem pintor. Jamais empunhou um pincel, nem lidou com um cinzel. Desconhecia a paleta e a tela; contudo, foi a inspiração de Rafael, de Miguel Ângelo, de Hofmann e de inúmeros outros.

Não era arquitecto, nem empreiteiro, nem construtor. Era apenas um carpinteiro galileu – fazia arados de madeira e jugos para bois; mas inspirou a arquitectura mais nobre, mais maravilhosa que jamais se conheceu. Ele próprio Se especializou na construção de caracteres – na criação de homens – obras primas humanas. Tomou Pedro, e fez dele um santo. Tomou Saulo e fez dele Paulo.

Não era estadista. Jamais desempenhou nem aspirou a um cargo oficial. Não se imiscuiu na política, mas na verdade fundou um Reino. E em verdade apresentou uma Constituição – o Sermão da Montanha. Os Seus princípios destronaram o erro. Combateu o mal, a opressão e a tirania. Os Seus princípios lançaram os alicerces dos negócios baseados na confiança como resultado da integridade.

Cada profissão produz mestres, exemplos, modelos e ideais que representam o máximo ou o seu ramo peculiar de esforço humano.Na filosofia, há um Aristóteles, um Platão ou um Kant. Na Música, há um Bach ou um Mozart. Na Literatura, há um Shakespeare, um Tennyson ou um Emerson. Na Ciência Militar, há um Alexandre. um Napoleão ou um Eisehower.Na Medicina, há um Hipócrates, um Osler ou um Mayo. Na Religião, há um Lutero, um Wesley ou um Calvino.Na Política, há um Washington, um Lincoln ou um Churchill. Grandes feitos revelaram grandes personalidades que personificam grandes profissões.

JESUS CRISTO é a mais alta Personalidade, incorporando os mais altos ideais de todas as profissões e vocações. Ele é o epítome do melhor, o ápice do mais alto, a sumidade do mais elevado, o superlativo do supremo. Nele os homens de todas as profissões, de todas as vocações, de todas as raças, de todas as posições e de todas classes vêem o melhor.

Aí está porque Ele apela a todos. Ele é: O CAMINHO, A VERDADE E A VIDA (Bíblia, S. João 14:6).

Texto Adaptado

» Secção Apologética «