Assembleias de «Irmãos» em Portugal

Estudos Bíblicos

Jesus Cristo

Por um lado o Deus Santo e por outro o homem pecador. Como conciliar estas duas partes?

Encontramos perguntas semelhantes a esta no Livro de Job, cuja história nos leva a tempos muito antigos:

  • "Como se justificaria o homem para com Deus?" (Job 9:2);
  • "Que é o homem, para que seja puro? E o que nasce da mulher, para que fique justo?" (Job 15:14);
  • "Como, pois, seria justo o homem perante Deus, e como seria puro aquele que nasce da mulher?" (Job 25:4);
  • "Ah! se alguém pudesse contender com Deus pelo homem!" (Job 16:21).

Neste mesmo livro encontramos uma resposta, dada pelo Espírito de Deus, pela boca do sábio e humilde Eliú: "Se com ele, pois, houver um mensageiro, um intérprete, um entre milhares, para declarar ao homem a sua rectidão, então terá misericórdia dele, e lhe dirá: Livra-o, que não desça à cova; já achei resgate" (Job 33:23-245.

Desde o princípio do Novo Testamento que o Espírito de Deus nos dá a conhecer Aquele que é intermediário entre Deus e os homens, o Mediador. Não podia ser achado entre os filhos dos homens, porque todos estavam mesclados corri o pecado: "Não há um justo, nem um sequer" (Romanos 3:10). Os esforços desta raça culpável demonstraram ser inúteis para produzir qualquer melhoria. Não obstante, Deus queria estabelecer uma nova relação entre Ele e a Sua Criatura. E o único meio possível era o envio de Seu Filho, era a vinda de Jesus à Terra, Emanuel, Deus connosco!


a) Quem é Jesus?

1) A Sua Natureza Divina

"Estando Maria desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do Espírito Santo. Então José, seu marido, como era justo, e a não queria infamar, intentou deixá-la secretamente. E, projectando ele isto, eis que em sonho lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de David, não temas receber a Maria, tua mulher, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo; e dará à luz um filho, e chamarás o seu nome Jesus, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados. Tudo isto aconteceu para que se cumprisse o que foi dito, da parte do Senhor, pelo profeta que diz: Eis que a virgem conceberá) e dará à luz um filho e chamá-lo-ão pelo nome de EMMANUEL, que traduzido e Deus connosco" (Mateus 1:18-23). "Havendo Deus antigamente falado muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho a quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez também o mundo, o qual, sendo o resplendor da sua glória e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito, por si mesmo, a purificação dos nossos pecados, assentou-se à dextra da majestade nas alturas" (Hebreus 1:1-3). "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus" (João 1:1).

2) A Sua Natureza Humana

"E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigénito do Pai, cheio de graça e de verdade" (João 1:14). "Grande é o mistério da piedade: Aquele que se manifestou em carne" (1. a Timóteo 3:16). "Vemos coroado de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos" (Hebreus 2:9). "Eu sou o primeiro c o último; e o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre" (Apocalipse 1:17-18). A realidade da natureza humana de Jesus é demonstrada amplamente nos Evangelhos, e o testemunho que dela rendem os apóstolos faz com que esta verdade seja ainda mais credível. Queremos apenas juntar três versículos que indicam a perfeição absoluta da humanidade que revestiu a nosso Senhor, pois, embora participando da carne e do sangue, não teve a natureza pecadora do homem:

  • "Aquele que não conheceu pecado", (2ª aos Coríntios 5:21);
  • "O qual não cometeu pecado" (1ª de Pedro 2:22);
  • "Nele não há pecado" (1ª de João 3:5).

A união da natureza humana e da natureza divina. numa mesma Pessoa é um mistério que não nos cabe analisar. .A Palavra de Deus o declara, e nós acreditamos e adoramos. Aliás, já os profetas o tinham anunciado, como vemos nesta passagem, de Isaias: "Um menino nos nasceu (a humanidade), um filho se nos deu (a divindade), e o principado está sobre os seus ombros;.. e o seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro,, Deus Forte, Pai. da Eternidade, Príncipe da Paz" (Isaías 9:6). Estes diversos títulos demonstram, um por um, a Sua divindade e a Sua humanidade. Ele exercerá os direitos conferidos pelos. ditos títulos segundo o Seu poder, divino e na, qualidade de Filho do homem, conforme Ele mesmo disse: "Porque, como o Pai tem a vida em Si mesmo, assim deu também ao Filho ter.. a vida em Si mesmo; e deu-lhe o poder de exercer o Juízo, porque é o Filho do homem (João 5:26-27).


b) A Obra de Jesus

O Bom Pastor"O Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos" (Marcos 10:45).

Veio para servir a Deus, Seu Pai, mas também para servir ao Seu povo – servi-lo durante o tempo do ministério da Sua graça. Vindo com a mais profunda humildade, tomou a forma de servo (Filipenses 2:7), e estava entre os Seus "como aquele que serve" (Lucas 22:27).

A perfeição do Seu serviço em favor dos Seus só é comparável à perfeição da Sua abnegação. Este humilde serviço leva o Senhor a lavar os pés dos Seus discípulos, depois de Se ter cingido com uma toalha para os enxugar. Nada é demasiado pequeno nem demasiado modesto para o Servo perfeito, cujo único gozo era cumprir a vontade dAquele que O tinha enviado.

"Eu sou o Bom Pastor; o Bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas" (João 10:11). Jesus pôs a Sua vida ao serviço dos Seus durante o Seu ministério, e, mais ainda, a Sua vida foi dada "em resgate de muitos".

Mencionemos, segundo as Escrituras, diversos aspectos da morte do Senhor Jesus sobre a Cruz do Calvário:

  • "O qual se deu a si mesmo por nossos pecados" (Gálatas 1:4);
  • "Jesus Cristo homem, o qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos" (1 Timóteo 2:5-6);
  • "Levando ele mesmo, em seu corpo, os nossos pecados sobre o madeiro" (1 Pedro 2:24);
  • "O qual, por nossos pecados, foi entregue, e ressuscitou para nossa justificação" (Romanos 4:25);
  • "Cristo vos amou, e se entregou a si mesmo por nós, em oferta e sacrifício a Deus, em aroma suave" (Efésios 5:2);
  • "Pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus" (Hebreus 9:14);
  • "Por isto o Pai me ama, porque dou a minha vida, para tornar a tomá-la" (João 10:17).

Muitos outros versículos da Palavra de Deus poderiam ser citados e todos nos mostrariam os dois grandes propósitos da morte de Jesus sobre a Cruz: Primeiro, a reivindicação da glória de Deus, segundo, os direitos da Sua Justiça e da Sua Santidade; e, simultaneamente, a salvação do homem e a purificação do seu pecado.


c) O Triunfo de Jesus

Pela morte, Ele aniquilou "o que tinha o império da morte, isto é, o Diabo" (Hebreus 2:14). Na Cruz, Ele triunfou sobre as potências tenebrosas, despojou-as e exibiu-as publicamente (Colossenses 2:15). Ao terminar as horas do Calvário, antes de entregar o Seu espírito nas mãos do Pai, disse: "Está consumado" (João 19:30). Entra nos domínios da morte como vencedor, porque esta fortaleza inexpugnável, guardada pelo próprio Satanás, lhe foi desde então conferida: "Quebrou as portas dê bronze e despedaçou os ferrolhos de ferro" (Salmo 107:16).

Nada vai impedir que a morte devolva a sua presa nem que o sepulcro, não obstante a pesada pedra colocada na sua entrada, seja aberto e encontrado vazio! "Tragada foi a morte na vitória" (l Coríntios 15:54). As provas que certificam esta verdade capital são numerosas: "Cristo ressuscitou dos mortos" (1 Coríntios 15:20). Este grande acontecimento é o fundamento da fé cristã, pelo que não nos surpreende que os detractores do Evangelho se tenham assanhado contra esta grande verdade.

O triunfo de Jesus não se limita apenas à Sua ressurreição: "Vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a Sua voz. E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida" (João 5:28-29). Por outro lado, o domínio universal será dado Àquele que morreu na Cruz e que ressuscitou. Numerosos textos da Palavra de Deus nos falam deste glorioso triunfo. Sem os transcrevermos, propomos aos nossos amados leitores que os busquem na sua Bíblia, deixando-lhes assim a possibilidade de descobrirem muitos outros:

  • A história de José (Génesis 37 a 41);
  • A história de Mardoqueu (Ester 5 a 8);
  • Os Salmos 2, 8, 21, 22, 24, 45, 110, etc.;
  • Apocalipse 19:6-16);
  • "Os profetas que profetizaram... anteriormente, testificando os sofrimentos que a Cristo haviam de vir, e a glória que se lhes havia de seguir" (1 Pedro 1:10-11);
  • "Era desprezado, e o mais rejeitado pelos homens; homem de dores, e experimentado nos trabalhos;
  • "Verdadeiramente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputámos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniquidades. O castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados" (Isaias 53).

F. Gfeller

"In Leituras Cristãs", Volume XXXII

» Secção Estudos «