Assembleias de «Irmãos» em Portugal

Estudos Bíblicos

O Baptismo do Crente

Os "sacramentos" (ou mandamentos) da Igreja Cristã são o Baptismo e a Ceia do Senhor. Foram instituídos pelo Senhor Jesus nos Evangelhos (Mt 28:19; Lc 22:19-20) e postos em prática nos Actos (10:47-48; 20:7) e expostos nas Epístolas (Rm 6:3-10; 1 Co 11:23-32). O primeiro deles é precisamente o baptismo do crente.

I – Ao tratarmos o assunto do baptismo, devemos notar de início que o Novo Testamento fala-nos de três ordens de baptismo:

  • – Primeiramente fala-nos do baptismo de João (Marcos 1:4). Como precursor do Rei, João exortou a nação de Israel a voltar-se para Deus e dar frutos dignos de arrependimento (Mt 3: 8). Os que deram ouvidos foram a ele, confessando os seus pecados, e eram baptizados com o baptismo de arrependimento; assim se separavam da impiedade em que a nação se encontrava. Naturalmente que esse baptismo não salvava nem era preciso para a salvação. O Senhor Jesus foi baptizado por João, não porque tivesse pecados dos quais precisasse de se arrepender, mas para se identificar com os arrependidos de Israel, e assim cumprir toda a justiça (Mt 3:1-15).
  • – Em segundo lugar, temos o baptismo do crente (Rm 6:3-4). Significa identificação do crente com Cristo na Sua morte, como veremos mais tarde.
  • – Em terceiro lugar, temos o baptismo do Espírito Santo (1 Co 12:13). Esta é a obra soberana do Espírito de Deus, pelo qual todos os crentes no Salvador são incorporados no Corpo de Cristo.

Em relação a estes três baptismos, devemos notar cuidadosamente o seguinte:

  • O baptismo de João não é o baptismo do Espírito. Distinguem-se claramente em Mateus 3:11;
  • O baptismo de João não é o baptismo do crente. Actos 19:1-5 mostra-nos que os crentes que tinham sido baptizados com o baptismo de João, tiveram de sei rebaptizados com o baptismo cristão;
  • Não se deve confundir o baptismo do Espírito Santo com o baptismo do crente. Muitos têm a ideia de que o baptismo na agua simboliza o baptismo do Espírito, mas não é assim, pois são completamente diferentes. O baptismo do Espírito fala-nos da incorporação no corpo de Cristo, enquanto que o baptismo do crente é um símbolo da morte.

Em suma: estes três baptismos são distintos, e não devem ser confundidos.

II – Depois do Dia de Pentecostes não lemos que alguém fosse baptizado senão os crentes no Senhor. Notemos as seguintes passagens:

  • "De sorte que foram baptizados os que, de bom grado, receberam a Palavra" (Actos 2:41);
  • "Mas como cressem em Filipe, que lhes pregava acerca do Reino de Deus e do Nome de Jesus Cristo. se baptizavam. tanto homens como mulheres (Actos 8:12).

É certo que lemos de famílias inteiras serem baptizadas (Actos 16:15; 1 Co 1:16) mas não há qualquer motivo que nos leve a supor que estas famílias incluíssem crianças que não tivessem idade para ter confiado no Senhor Jesus.

III – O significado mais importante do baptismo do crente. encontra-se relevado plenamente em Rm 6:1-10. Resumamos o ensino desta passagem da seguinte maneira:

  • 1º – Quando Jesus morreu, as ondas e vagas da ira de Deus passaram sobre ELE (Salmo 42:7);
  • 2º – Ele suportou tudo isso como nosso Substituto;
  • 3º – Porque Cristo morreu em nosso lugar, podemos dizer que morremos, quando ELE morreu;
  • 4º – Pela Sua morte, ELE resolveu a questão do pecado para sempre;
  • 5º – Assim também o crente morreu em relação ao pecado e as suas consequências. O pecado não tem mais domínio sobre nós;
  • 6º – Deus vê cada crente como tendo sido crucificado com Cristo. Tudo o que o homem era como pecador na carne, foi cravado na cruz;
  • 7º – O baptismo do crente constitui uma ilustração dramática do que já se efectuou na morte e ressurreição de Cristo. Ao descer às águas do baptismo, na realidade o crente proclama: Eu merecia a morte por causa dos meus pecados; mas Jesus morreu, e eu também morri com ELE. O meu homem velho foi crucificado com Ele. Quando Jesus foi sepultado, eu fui igualmente sepultado com ELE, pelo que reconheço agora que na minha experiência diária, o meu velho EU deve ser removido da presença de Deus para sempre;
  • 8º – Assim como Jesus ressuscitou dentre os mortos, também o crente ressurge das águas do baptismo. Ao fazê-lo, proclama a resolução de andar em novidade de vida. Não vive mais para agradar a si próprio, mas submete-se incondicionalmente ao Salvador, desejando que Ele viva a Sua vida nele.

Portanto, podemos afirmar que o baptismo, em si, significa o fim da vida antiga. E um acto público de obediência â vontade do Senhor (Mt 28:19, 20), em que o crente se identifica com Cristo na Sua morte. O baptismo não salva, mas foi instituído para os que já estão salvos.

Baptismo do CrenteIV – Tem havido grande controvérsia acerca da maneira como o baptismo deve ser administrado – se por aspersão ou por imersão. Os seguintes factos ajudam a encontrar a solução:

  • 1º – A palavra "baptizar" vem do grego, e significa: mergulhar, submergir, lavar;
  • 2º – Em relação ao baptismo de Cristo, lemos: "E sendo Jesus baptizado, saiu logo da água" (Mt3:16);
  • 3º – O próprio João Baptista baptizava em Enon, perto de Salim, porque havia ali muitas águas (João 3:23);
  • 4º – Em referência ao baptismo do etíope, eunuco da rainha dos etíopes, as Escrituras revelam nos claramente que tanto Filipe como o eunuco "desceram ambos e o baptizou E quando saíram da água, o Espírito do Senhor arrebatou a Filipe... (Actos 8:38-39);
  • 5º – Já verificamos em Romanos 6:3, que o baptismo ilustra o acto de sepultar. O baptismo por aspersão nunca pode dar a ideia de sepultura enquanto que o baptismo por imersão representa-o com toda a exactidão.

V – Mas mais importante ainda é o estado espiritual do baptizando. Há milhares de pessoas que passaram pelo baptismo, quanto à forma, mas na realidade não foram baptizadas. A pessoa verdadeiramente baptizada, não é aquela que meramente se submete ao rito, mas aquela cuja vida mostra que a carne, ou a velha natureza, já foi crucificada. O baptismo, pois, não se limita a um rito exterior, mas resulta da prévia transformação que o Espírito operou no coração.

Isto pode ver-se claramente em Rm 2:25-29, se aplicarmos o ensino da circuncisão ao baptismo.

O baptismo aliado à obediência ao Evangelho é verdadeiramente proveitoso, mas se recusarmos andar conforme o Evangelho, o baptismo é nulo. Portanto, se um crente não baptizado obedecer ao Evangelho, não será a sua falta contada como se fosse baptizado? E não julgará, pela sua conduta, aqueles que, sendo baptizados, não andam segundo o Evangelho? Porque não é verdadeiro crente o que o é exteriormente ainda que tenha sido baptizado por imersão; mas o que em seu coração, passou pela experiência espiritual que o baptismo ilustra, e cujo louvor não vem dos homens, mas de Deus.

VI – A ideia do homem ter de ser ordenado ministro para poder baptizar, não tem base nas Escrituras. Qualquer crente sincero pode baptizar.

VII – Nos primórdios desta era, muitos crentes, depois de serem baptizados, passavam a ser perseguidos e acabavam por ser assassinados dentro de pouco tempo. Isto não impedia que os novos convertidos, ousadamente, pedissem o baptismo sem hesitar, preenchendo assim a falta dos que tinham sido martirizados.

Ainda nos nossos dias, em certos lugares, o baptismo do crente implica o início de terrível perseguição. Em muitos países o crente é tolerado enquanto se limita a confessar Cristo com os lábios. Mas quando O confessa publicamente no acto do baptismo. mostrando assim que morreu para a vida passada, logo os inimigos da cruz, se preparam para atacá-lo.

Contudo, seja qual for o custo, o crente baptizado passa pela experiência do etíope acerca do qual lemos que "jubiloso, continuou o seu caminho".

William McDonald

"Cristo Amou a Igreja" | Tradução de Viriato D. Sobral (1961)

» Secção Estudos «