Assembleias de «Irmãos» em Portugal

História do Movimento de «Irmãos»

1.3. A Origem do Movimento – Os Irmãos de Plymouth

1. Nas primeiras décadas do século XIX surgiu um movimento do Espírito de Deus em várias localidades – Dublin (Irlanda), Londres e Plymouth (Inglaterra) e outras no continente europeu. No começo, as pessoas envolvidas neste movimento desconheciam-se mutuamente e, por algum tempo, não houve qualquer contacto entre os vários grupos.

2. Em Dublin, cerca de 1825, um grupo de crentes começou a preocupar-se com a condição espiritual da Igreja reformada na Irlanda. No castelo da condessa Powescourt, homens das diversas denominações, então existentes, iniciaram reuniões mensais para estudos bíblicos. No início, eles encontravam-se apenas para o estudo das Sagradas Escrituras e para a oração. Até então os participantes permaneciam em suas respectivas igrejas de origem. O cenário que existia e que estes cristãos pretendiam combater era que "muitos ministros ocupavam cargos duplos na igreja para ganhar mais salários. Em face disso, muita gente se recusava a dar o dízimo... para as igrejas que sustentavam os ministros. Nessa ocasião, 'cristãos dissidentes' (batistas, metodistas etc.) tornaram-se amargamente divididos. Eles atacavam os católicos romanos, anglicanos e dirigiam sua mais cáustica linguagem uns aos outros".

John Nelson Darby3. Foi precisamente a comunidade em Plymouth que ficou a ser mais conhecida, precisamente porque em 1830, J. N. Darby (1800-1882) tendo-se deslocado a essa localidade, convenceu-os a associarem-se a ele para a proclamação e expansão dos princípios que tinha encontrado nas Escrituras. Existiam na Irlanda e na Inglaterra outras comunidades prósperas de cristãos que alegavam ser "Irmãos" e mantinham pontos de vista semelhantes. Essas comunidades também aderiram à influência de Darby, tornando a comunidade de Plymouth a mais conhecida e Darby a ser chamado o fundador do Plymouthianismo.

4. Entre outros irmãos, a que Darby se associou, estavam A. N. Groves e J. G. Bellett e o conhecido erudito bíblico Samuel Prideaux Tregelles. Durante os oito anos seguintes o progresso foi muito rápido, e muitas comunidades foram fundadas nas pequenas cidades da Inglaterra. Após, em 1838, Darby saiu da Inglaterra e foi residir na Suíça francesa. Foi precisamente daí que as doutrinas dos "irmãos" foram difundidas, nomeadamente através de dois folhetos escritos por Darby: , "Le ministere consideré dans sa nature" e "De la presence et de laction du S. Espirit dans l'église."

Plymouth5. A perseguição não demorou a surgir e Darby regressou à Inglaterra. Foi contudo precisamente também em Plymouth que começaram as primeiras divisões, tendo Benjamim Newton sido apontado de afastar-se do testemunho dos Irmãos por reintroduzir o espírito de eclesisticismo. ncapaz de separar a congregação do seu professor, Darby começou uma nova assembleia. A maioria dos Irmãos de Plymouth apoiaram Darby, e uma minoria permaneceu com Newton. A separação tornou-se mais aguda em 1847, com a descoberta de um ensino supostamente herético por Newton. Em 1848, uma outra divisão ocorreu. A congregação de Bethesda de Bristol, onde George Müller era o membro de mais influência, recebeu na comunhão vários seguidores de Newton e justificaram sua acção. Disto tudo saíram os "Irmãos Neutros", dirigidos por Müller, e os "Irmãos Exclusivistas" ou "Darbystas", que recusavam manter comunhão com os seguidores de Newton ou Müller.

A maior parte dos cristãos piedosos de Plymouth eram ministros ordenados em várias denominações. Tendo estudado a Palavra de Deus, recuperaram o ensino de muitas verdades divinas que há muito haviam sido soterradas sob o acumular de tradições eclesiásticas e de superstições.

Joel Pereira

Bibliografia

  • H. G. Mackay, Os Distintivos das Assembleias.
  • Roy Coad, A History of the Brethren Movement.
  • Vários, Enciclopédia Britânica.

» Secção História «