Assembleias de «Irmãos» em Portugal

História do Movimento de «Irmãos»

Carlos Alberto Swan (1861-1934)

Carlos Alberto SwanCarlos Alberto Swan nasceu em 21 de Novembro de 1861, na cidade de Sunderland, condado de Durham, em Inglaterra.

Após algum tempo de ocupação secular, partiu em 1886 para África, dirigindo-se às terras de Garanganje, onde 5 anos antes penetrara o primeiro missionário evangélico Fred Arnot, já com o Senhor também. E por estas paragens se deteve, viajando e missionando, durante largo espaço de tempo, tendo o seu grande prestígio, junto do cruel soba Musiri, servido para a fácil ocupação dos territórios de Catanga, que passaram a ser incorporados nos domínios do então Estado livre do Congo.

Foi devido aos serviços então prestados, que em 23 de Dezembro de 1929 o condecorou o Rei da Bélgica, Alberto I, com a medalha Comemorativa do Congo. Já o tio deste monarca, o grande Leopoldo, em cujo reinado Carlos Swan merecera a aludida condecoração, o convidara a audiência especial em Bruxelas, numa das férias que viera passar à Europa.

Em 14 de Setembro de 1892 casou com Miss Hanna Davies, que um ano antes se entregara ao trabalho do Senhor, e com a qual partiu novamente para África. Nas suas longas viagens pelo Continente Negro, encontrou-se com Silva Porto, de quem foi hóspede em Belmonte. Ao cativante trato do Sr. Swan se refere, nas suas memórias, Alfredo Malheiro, que foi capitão-mor na região do Bié (Angola). Nesse território é que o dedicado servo do Senhor fundou a Missão de Chilonda, ainda existente.

Devido à necessidade de proporcionar a seus filhos a educação que não era possível naquelas paragens, veio em 1903 para a Europa, decidindo fixar-se em Lisboa, após longas digressões, de Norte a Sul do país, em que distribuiu grandes porções de literatura evangélica.

Morou primeiro na Estrada de Benfica, efectuando a primeira reunião de evangelização em 3 de Fevereiro de 1906, com a cooperação de outro pioneiro da Obra em Lisboa, Robert Mc Gregor, que ainda o acompanhou aqui durante alguns anos e se retirou mais tarde para a Escócia, onde actualmente reside.

A antiga Porcalhota (hoje Amadora) foi o local onde a seguir teve reuniões (17 de Junho de 1906). Em 25 de Agosto de 1907 inaugurou a Casa de Cultos da Travessa de Santa Catarina nº (então 7), em Lisboa, onde ainda se reune a Assembleia de crentes no Senhor Jesus, convertidos por sua instrumentalidade e pela dos seus vários colaboradores, alguns dos quais ali nascidos, também, para o Senhor. Dentre os fieis amigos e auxiliares do princípio, justo é destacar o venerando José Augusto dos Santos e Silva, já com o Senhor também.

Durante a 1ª Grande Guerra prestou assistência espiritual aos soldados portugueses que em Inglaterra se treinavam no manejo de artilharia pesada.

O Senhor ainda lhe concedeu o ensejo de festejar em 1952 as Bodas de Prata do Trabalho da Travessa de Santa Catarina, com assistência, bem apreciada por todos, do Sr. McGregor.

Em meados de 1933, partiu para a Inglaterra para assistir ao casamento de sua filha e em busca da saúde que nunca mais recuperou, nada podendo contra o seu terrível mal, as três operações a que o sujeitou o eminente homem de ciência e escritor evangélico Dr. Rendle Short, de Bristol.

Faleceu em 30 de Novembro de 1934, com a idade de 73 anos, que pareciam ainda prolongar-se por muito tempo, dada a sua robusta constituição.

Evangelista consagrado, orador fluente e distintíssimo, tendo vivida uma vida em absoluto consagrada ao Senhor e à Sua obra (21 anos como missionário em Angola e 25 de evangelização em Portugal Continental) teve nele o Evangelismo Português, um grande homem de carácter impoluto e recto. Amava muito a Portugal e os portugueses

"Lembrai-vos dos vossos guias que vos falaram da Palavra de Deus, a fé dos quais imitai, atentando para a sua maneira de viver".

Guido Waldemar Oliveira

Vida Abundante, Janeiro a Fevereiro de 1967

» Secção História «